Não reclame da dor da ferida que você mesma abriu

– Não acredito! – eu gritei ao ouvir o HD caindo no chão no domingo passado.

Em 2013 eu estava na minha linda lua de mel no incrível navio Oasis Of the Seas. No roteiro: México, Jamaica, Miami… Fotos? Muitas, diversas, infinitas!

Mas, todas as noites, ao chegarmos no quarto, eu salvava todas as fotos num HD portátil.

Chegando ao Brasil, fui rever os momentos e… Não funcionava. RESUMO para não doer muito: PERDI tudo, foto, por foto, tirando algumas poucas que tirei no Ipad.

HD 5

Rodei o mundo em busca de solução, mas não teve recuperação. E um rapaz disse:

– Faça sempre backup duplo e, se der, faça um deles nesse seu HD antigo e maior, porque o fio da fonte de energia é diferente do fio da entrada USB e isso o torna mais resistente. Mas SEMPRE faça 2 backup. Mesmo se guardar em nuvem.

LIÇÃO APRENDIDA temporariamente…

FIZ isso o ano passado inteiro. A ferida estava aberta, então, eu lembrava da dor da perda diariamente. Fazia o backup no HD pequeno e no final de semana salvava tudo no grande.

Mas… ESSE ANO, correria, sabe como é… Depois eu faço… No fundo, eu bem sabia que eu estava fazendo errado, mas… Só hoje, só agora… Agora não dá…. E o pior aconteceu.

Domingo, eu estava trabalhando. Então, salvei todos os vídeos que colocaria no ar essa semana no HD grande e… Deletei no chip da máquina. Fiz duplo back up antes? Claro que não! Passei 2014 todo fazendo isso e nada aconteceu, não seria agora, né?

Então, fui levantar do sofá e… O HD caiu. De uma altura de 30 cm. Tremi toda, mas tive esperança e conectei novamente. Nada. Desmaiou, quebrou, morreu.

– PODE PARAR! – uma voz gritou dentro de mim quando eu pensei em começar a culpar o mundo o universo, o El Niño, a gravidade da Terra. Se eu estivesse numa estação espacial isso não aconteceria!

Engoli o choro.

– NÃO RECLAME da dor da ferida que você abriu por vontade própria – a voz da razão me deu um soco de consciência.

– Mas e as viagens que estavam ali? E todos os documentos? Todas as lembranças?

– VOCÊ que quis assim, querida. Aproveite a dor da ferida que você mesma buscou.

FAZEMOS ISSO DIARIAMENTE. Vamos vendo a ferida ser aberta, sabemos que o resultado é dor, mas pagamos para ver:

– Entramos em relações ruins, mas vamos em frente, como se não estivéssemos vendo o fracasso logo ali;

– Dizemos sim a um filho para poupar aborrecimento naquele momento, mesmo sabendo que o resultado disso não será nada bom;

A lista é grande e o estrago também. Agora estou em busca de consiga recuperar as informações.

Mas também estou em busca de, novamente, aprender a lição.

NEM SEMPRE APRENDEMOS DE PRIMEIRA, mas a vida é paciente e nos educa na repetição.

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here