Canal do Youtube

 
 
Canal do Youtube. Inscreva-se aqui.
Aprenda com os seus acertos, não só com os seus erros.

Aprenda com os seus acertos, não só com os seus erros.

Quando vejo uma foto como essa eu penso que eu nem acredito que eu estive nesse local. Não importa o local, importa ter chegado, importa ter estado lá, ter acreditado. Importa ter alcançado.

DSC_0195 DSC_0198

Bagan Myanmar

Todo mundo tem algo na vida que dá certo, que consegue realizar, e tem aquele lado que não sai do lugar.

Pegue o lado da sua vida que você acredita que dá certo, pegue os sonhos que você consegue realizar e aprenda com ele, o que você faz com ele que não faz com as partes que dão errado?

Aprenda com os seus acertos, não só com os seus erros.

Quem leu o livro “Minha mãe me ensinou a sonhar” sabe muito bem que eu era quase impossível acreditar que eu chegaria aqui.

Boa terça. A foto é em Bagan no Myanmar.

Por do sol e os seus objetivos

Por do sol e os seus objetivos

Não tem jeito, esteja você aqui ou na China, em algum momento o pôr do sol vai chegar e, é nesse momento, que nós pensamos: o dia acabou e o que eu fiz dele?

Fiz algo diferente? Conquistei algo? Avancei em algum ponto da minha vida? Cumpri os itens da lista? Não? Por que?

Preguiça, desculpas, pessoas que nos interrompem, redes sociais que tiram o nosso foco.

por do sol em NY

Mas, todas as vezes em que você pensar em fazer a mesma receita esperando que saia um bolo diferente do forno, lembre-se do pôr do sol. Se você quer que ele tragar satisfação, cumpra a lista de tarefas, mude um ingrediente da receita do bolo.

Pode até não dar certo, mas ao menos você está plantando uma chance.

A escolha é sua. Mas, lembre-se, o pôr do sol virá, você fazendo diferente ou não. Você tendo foco ou não. Você agindo ou não.

Boa segunda, boas escolhas e um pôr do sol gratificante para você.

5 maneiras de acabar com os seus sonhos

Como realizar os seus sonhos? Essa é a pergunta de um milhão de dólares.  Raramente nos perguntamos o que faz os nossos sonhos se perderem pelo caminho. Lá na frente, quando vemos que o tempo passou e não buscamos realizar aquele sonho, nos perguntamos: Por que eu não fui em frente?

Eu mesma tenho pensado muito no motivo pelo qual um sonho em especial nunca se realiza, por mais que eu sempre recomece. Me sinto perdida e me perguntando: por que começo com tanto gás e paro pelo caminho?

Vocês sabem que sou uma apaixonada por realizar sonhos e entender como algumas pessoas conseguem chegar lá e outras não. Não é a toa que escrevi o livro “Minha mãe me ensinou a sonhar.”

Por isso, hoje, listei 5 itens que fazem o nosso sonho ter vida curta. Quantas vezes nós já não nos enxergamos nessa situação? Olha aí. Será que se identificam?

realizar sonhos


1. Criar expectativa

Sabe o sonho do qual comentei no início desse post? Então, todas as vezes em que eu penso nele, em retomá-lo, eu sempre imagino tudo tão lindo… Uma expectativa de dias lindos, só porque eu tomei a decisão de apostar nele.

E não é bem assim. Quando criamos um sonho na nossa cabeça e no nosso coração criamos uma falsa expectativa., porque nunca, nunca será como nós idealizamos. Pode ser bem melhor, mas também tem a chance de não ser bem como criamos em nosso desejo.

Então, não deixe a expectativa num tom alto demais.


2. Achar que vai ser rápido

Tudo na vida leva tempo. Passo a passo a gente vai realizando pedacinho por pedacinho do nosso sonho. Calcule seu avanço através das pequenas vitórias. Todas elas juntas é que farão o grande acontecimento. E é o gostinho delas que nos dá força para seguir em frente quando parece que fazemos, fazemos e nada acontece.


3. Não planejar

Sonhar é fácil, realizar um sonho é um longo caminho que precisa de muito planejamento. Não planejar seus passos é como resolver sair de casa sem definir para onde e como vai. Se não definir um destino, se não planejar qual caminho irá fazer, se vai a pé, de carro ou trem, você ficará gastando energia e vagando pelas ruas sem rumo.

Planejar é aquela parte que a maior parte das pessoas pulam, porque dá mais trabalho do que prazer. É chato? Sim, mas é necessário. Planejar e rever o planejamento.

4. Não contar com imprevistos e dificuldades no caminho

Quer um exemplo simples? Você vai abrir uma lata de azeitonas. Você pensa em abrir, vai até o armário, abre a porta e pega o pote. Então, você gira a tampa para abri-la. E não acontece o esperado, ela não abre. Então, você tenta, tenta mais uma vez. Está dura. Você pega um pano de prato, tenta mais uma vez.

Ufa! Era tudo tão mais fácil enquanto você pensou na situação toda de, simplesmente, abrir um pote de azeitonas. Você imaginou ela na sua empada, deliciosa, mas não pensou no trabalho que abrir um simples pote poderia dar. Então, você desiste de fazer a empada? Ou fica pensando em uma maneira de abrir o pote?

Lembra daquela parte que você começa a sonhar e coloca as expectativas lá no topo? Sim? Então, você esqueceu de pensar que na subida da escada você pode tropeçar, escorregar. E se você tropeçar e cair 3 degraus, você terá que voltar a subi-los.

Lembre-se que imprevistos acontecem.


5. Ouvir e não ouvir as outras pessoas

Muitas vezes nós ouvimos o que as pessoas dizem e nem sempre é a melhor coisa a ser feita, porque as pessoas duvidam do que queremos fazer. Não porque elas não acreditam, mas porque é melhor criticar quem está buscando do que fazer o mesmo e ir a luta.

Por outro lado, muitas vezes, as pessoas nos mostram que aquele nosso sonho não é muito viável, que devemos repensar o todo ou parte dele.

Peça a opinião de outras pessoas, é sempre bom ter uma ou duas pessoas que você te ajudar a enxergar o sonho, o caminho e o planejamento como eles realmente são, sem as lentes cor de rosa que colocamos quando queremos alcançar uma meta.


E aí? Se identificou?
 Já deixou um sonho de lado ou abandonou sem nem ao menos tentar por causa de algum motivo acima?

Beijos!

 

A escada atrás da porta

A escada atrás da porta

Você está gastando sua energia na solução ou na manutenção do problema? Dia desses fui abrir a cortina de um dos quartos da casa e o varão caiu em cima de mim. Então, peguei a escada e arrumei.No dia seguinte, caiu novamente. Então, descobri que ela estava caindo, porque a bolinha que segura de cada lado, estava solta. Eu teria que arrumar algo para colar ou comprar um varão novo.site 3

Como não tinha nenhuma das soluções no momento, peguei a escada novamente. Arrumei e tive a “brilhante” ideia de já deixar a escada atrás da porta desse quarto.

Passou 1 dia, 2, uma semana. Eu abria a cortina com cuidado pela manhã, bem devagar para ela não cair. Foi dando certo. E a escada ali, bem atrás da porta, pronta para a emergência.

De início achei horroroso e me incomodava, depois “acostumei”. E me achava o máximo com minha técnica especial de abrir a cortina sem ela cair.

Até que….

Eu viajei e voltei 3 dias depois. Dei de cara com aquela escada atrás da porta do quarto e tomei um susto. Já tinha esquecido do problema da cortina e consegui ver a situação de fora: coisa mais sem cabimento na qual estava gastando a minha energia. E, para ser bem delicada, destrutivo.

Fiquei pensando em como eu já estava, sem perceber:

“conformada em achar soluções para “manter” o problema”.

Já estava virando algo bem natural ver aquela escada ali, abrir a cortina com cuidado e, se desse errado, pegar a escada, subir e arrumar. E voltar com a escada para a atrás da porta. Afinal, vai que…

– É assim mesmo
– Vai que
– Não tem mais jeito
– Já acostumei….

São frases tão destrutivas…

“Quantas escadas atrás da porta mantemos em todas as áreas das nossas vidas?”

No amor, no trabalho, numa briga com alguém. Quantas pessoas preferem atravessar a rua para não falar com um desafeto do que chamar para conversar e tirar a escada atrás da porta? Para de andar tenso porque a qualquer momento pode ser que… Que a cortina caia ou que você encontre a pessoa.

Quantas pessoas sustentam relações ruins porque já acostumaram a se reerguer das decepções causadas pelo parceiro.

Pais que ficam corrigindo o mesmo erro dos filhos, tirando e colocando a escada atrás da porta como se o simples passar do tempo fosse dar um jeito neles. Dar um basta seria mais trabalhoso, porém mais definitivo e produtivo.

Todo mundo tem a sua escada atrás da porta. A lição?

Por que eu estava regando aquele aborrecimento? Tirasse a cortina de vez ou arrumasse.

Falta de forças? Tempo? Não, porque se eu tinha força para “arrumar” a cortina todas as vezes que caía, era a mesma força que gastaria para dar um jeito nela de vez.

E agora a escada está no lugar certo, na área de serviço, ainda não arrumei a cortina, mas está resolvido, se ela cair, vai ficar no chão.

Se a cortina fosse uma pessoa? Eu pararia de alimentar uma relação ruim e ela, ficando no chão, me vendo dar as costas, entenderia que eu não estou mais disposta a jogar um jogo sem sentido.