Amor, eu vou montar uma igreja!

– Jorge, eu tive uma ideia fantástica! – eu me coloquei diante da TV enquanto o Jorge almoçava.

– Teve? – ele respondeu levando o garfo à boca.

Raridade almoçarmos com a TV ligada, mas nesse dia eu já tinha almoçado e o Jorge queria muito acompanhar esse jogo.

 

a igreja 5

– Sim! Quer ouvir?

– Tá, fala aí…

– Vou montar uma igreja!

– Uma igreja…? – ele respondeu incrédulo.

– Sim! Veja como a minha ideia é fantástica. Vai misturar um pouco da católica, do budismo, de todas as religiões. O melhor de todas elas.

E bla, bla, bla… Fui me empolgando! O Jorge parecia estar bem interessado, porque os olhos dele foram ficando fechados, focados, parecendo atento. Até pensei que ele estava era prestando atenção no jogo de tênis atrás de mim, afinal, eu estava bloqueando a vista, mas não, ele estava com foco em mim.

A cada garfada ele franzia mais a testa e parecia mais concentrado.

– Vai ser lindo demais! O culto será nessa ordem: começamos com muita música, animada. Ai, quando os irmãos chegarem, hum… Irmãos não… Quero outro nome para os fiéis…

Olhos ainda mais compenetrados no meu discurso.

– Igreja do Louvor! Isso! Esse vai ser o nome! Vamos aceitar todo mundo. Ah! E não vai ter dízimo.

– Não?

– Não. Vai ser anuidade, tipo Sam’s Club, sabe?

– Sam’s club? – nessa hora seus olhos arregalaram, pareceu assustado, mas eu interpretei como admiração.

– Isso! Assim, todo mundo vai ser tratado igual. O princípio da igualdade da Igreja do Louvor já vai começar aí. E o dinheiro extra vamos arrecadar através de campanhas mensais, mas no geral vai ser igual ao Sam’s Club, mesmo.  Ufa! Acho que está tudo resolvido. Só preciso ver na internet como fundar uma igreja. Mas, então, o que você acha? – abri um sorriso esperando a resposta do fiel número da Igreja do Louvor.

– Eu acho que… Eu acho que você precisa ir lá no quarto pegar a bula desse remédio que você está tomando para eu ler…

– O que? – tomei um banho de água fria. – Por que?

– Sim, preciso ler sobre os efeitos colaterais dele.

– Quer saber!? – eu disse saindo da frente do jogo de tênis que passava na TV e cheguei bem perto do meu EX-fiel número 1 da Igreja do Louvor. – Você não me apoia para cozinhar e agora não me apoia para abrir uma igreja?

– Pois é… Como eu sou ruim, né amor?

Caímos na gargalhada juntos. Mas, na dúvida, fui lá no quarto pegar a bula do remédio para ler.

Não fala nada sobre delírios, isso quer dizer que a minha ideia é lúcida e boa! Ou não, rs. Agora é buscar os fiéis! rs

LEAVE A REPLY

Please enter your comment!
Please enter your name here